Apruema e Governo do Estado estão perto de fechar acordo salarial que beneficia docentes da Uema

A longa espera sobre uma resposta do Governo do Estado sobre as reivindicações salariais dos docentes da Universidade Estadual do Maranhão (Uema) está próxima do seu final. E, ao que tudo indica, parece se aproximar de um desfecho positivo para uma classe que já está há mais de dois anos sem receber qualquer tipo de reajuste salarial, diferentemente dos demais servidores públicos estaduais, que tiveram seus vencimentos reajustados pelo Governo do Estado no ano passado.

Nesse particular, a Associação dos Professores da Uema (Apruema), por meio do seu presidente Ubiraci Nascimento e da Comissão de Negociação Salarial, composta pelos professores Manoel Salgado, Silvana Meneses, Carlos Saturnino, João Coelho e José Ribamar Gusmão, tem desempenhado um papel de extrema importância, pois não tem medido esforços para solucionar essa angustiante questão salarial que afeta os docentes tanto os da ativa quanto os aposentados.

Na verdade, a direção/comissão da Apruema tem se reunido constantemente com a Casa Civil, Procuradoria Geral do Estrado (PGE) e, agora por último, com a Secretaria de Gestão e Previdência (Segep). Vale lembrar que, na maioria das vezes, essas reuniões foram intermediadas pelo deputado estadual Eduardo Braide (PMN), que tem dado esse apoio logístico para a Associação dos Professores da Uema. Aliás, um compromisso que ele mesmo (Braide) assumiu em Assembleia Geral da classe docente da Uema.

Assim, os três pontos em negociação com o Governo do Estado que são: pagamento da URV para os professores aposentados, tabela de gratificação técnica para os docentes da ativa e prazo de implantação da tabela salarial para ativos e aposentados já estão sendo negociados e, ao que tudo indica, terão um desfecho nos próximos dias. Sobre o pagamento da URV para os docentes aposentados, a reitoria da Uema está tratando diretamente com a Procuradora Geral do Estado, que prometeu viabilizar o pagamento no prazo máximo de 90 dias, ou seja, até o final do ano. Nesse sentido, um documento será formalizado entre as partes (Uema e PGE) para garantir e manter esse acordo.

Em relação ao pagamento da gratificação técnica para os docentes da ativa, a direção/comissão da Apruema, que já tinha recebido da Casa Civil uma proposta inicial de R$ 350,00 (trezentos e cinquenta reais), apresentou uma contraproposta no valor de R$ 450,00 (quatrocentos e cinquenta reais), que já foi discutida na própria Casa Civil, com o secretário Marcelo Tavares, e apresentada à Segep para a secretária Lilian Guimarães, que, por sua vez, como gestora da pasta, vai fazer um levantamento do impacto financeiro da contraproposta da Associação.

Por fim, sobre o prazo de implantação da tabela salarial, a direção/comissão da Associação já definiu que o prazo-limite será até o final de março de 2017 (trimestre), e não até junho desse mesmo ano como quer o Governo do Estado. Agora, se o governo estadual aceitar a contraproposta da Apruema em aumentar a gratificação técnica para o valor inicial solicitado de R$ 450 reais, a direção/comissão da Apruema aceita, também, o prazo estabelecido pelo Governo do Estado de aguardar até o final de junho para implantar a tabela salarial. Mas, todas as respostas sobre as reivindicações dos docentes da Uema serão dadas, de acordo com a Casa Civil e Segep, até o próximo dia 20 de setembro. Após isso, será marcada uma Assembleia Geral Extraordinária para informar a todos os docentes sobre a resposta do Governo do Estado, que dessa vez, tudo leva a crer que seja positiva.

Compartilhar.