Reivindicação salarial de docentes da Uema continua sem resposta efetiva por parte do Governo do Estado

A espera continua por uma decisão concreta por parte do Governo do Estado sobre as reivindicações salariais do corpo de docentes da Universidade Estadual do Maranhão. Não se sabe até quando vai durar essa angústia. Dos três pontos deliberados e aprovados em Assembleia Geral Extraordinária (AGE) da classe docente e entregues em forma de proposta salarial ao secretário da Casa Civil, deputado estadual Marcelo Tavares, pela direção/comissão da Apruema, de concreto nada ainda foi definido pelo poder executivo estadual.

Assim, na última AGE da classe docente, realizada na própria sede da Apruema, no último dia 06 de setembro, os três pontos em questão, que estão sendo reivindicados, foram novamente analisados e deliberados pelo conjunto de professores sócios presentes nessa AGE, agora com um agravante. O primeiro ponto que diz respeito ao pagamento de imediato da URV para os professores aposentados da Uema, sem ter que ir para precatório, que já tinha sido anteriormente sinalizado pelo Governo do Estado, por meio da Casa Civil, já foi descartado. Convenhamos, o que já começa a dificultar as negociações, pois a direção da Apruema não aceita qualquer tipo de negociação que faça a exclusão dos professores aposentados. Aliás, um assunto deliberado e aprovado em todas as AGEs da classe docente da Universidade Estadual do Maranhão.

Outro aspecto que causou certa desconfiança, se é que podemos colocar assim, à direção/comissão da Apruema foi o fato de a Casa Civil encaminhar uma nova proposta salarial de pagamento dos aposentados diretamente para a direção superior da Uema e não para a Apruema, como vinha sendo feito anteriormente em todas as negociações já realizadas entre as partes (APRUEMA x Casa Civil). Dessa forma, a nova proposta, que precisa ser melhor esclarecida pela direção superior da Uema, pois foi quem recebeu o documento do Governo do Estado, foi apresentada, nessa AGE, como uma espécie de Programa de Extensão, que seria implantado no prazo de 30 dias e beneficiaria a classe de aposentados, mas com um detalhe: o professor aposentado teria que, entre outras coisas, retornar com suas atividades e ter disposição para trabalhar entre 10 e 15 horas semanais nesse programa a ser criado pela direção superior da Uema.

Portanto, a proposta foi rejeitada, no primeiro momento, pela maioria dos docentes sócios presentes nessa AGE, realizada na sede da Associação, sendo que a direção/comissão da Apruema já agendou uma reunião/encontro com a direção superior da Uema para o próximo dia 09 de setembro (sexta-feira), visando esclarecer todas as dúvidas sobre essa emblemática proposta. Os dois outros pontos, que são a tabela de Gratificação Técnica e o prazo de implantação da tabela salarial dos docentes da Uema para o ano de 2017 não foram alterados. O que significa dizer que continua valendo o valor inicial de R$ 350,00 para a tabela de Gratificação Técnica, uma contraproposta do próprio Governo do Estado, e o prazo de até março/2017 para a implantação da tabela de equiparação salarial com os professores do Ensino Médio, mas que o Governo do Estado, contumazmente, insiste em manter até junho/2017. Ainda nessa AGE, foi deliberada e votada uma paralisação de advertência, mas, por enquanto, não foi aprovada. A Apruema vai informar sobre a próxima AGE, que deverá acontecer somente quando existir algo de mais concreto. Pelo menos é o que ficou definido pela maioria dos professores presentes na sede da Apruema.

Compartilhar.